Qualidade de Imagem nas TV

speaker canvas da tv LG

Entenda alguns dos vários detalhes que podem diferenciar a qualidade da imagem das TVs

O que significa frequência (Hz) das TVs

Afinal o que este sistema de a taxa de atualização (Frequência) da imagem, representada em Hertz (Hz). Mas o que significa esse valor? O que ele proporciona no uso diário de uma TV?

A frequência de uma TV ou (“refresh rate” em inglês) indica quantas vezes por segundo a tela do aparelho é atualizada. Por exemplo, se o aparelho tem uma frequência de 120 Hz, isso significa que ele é capaz de reproduzir 120 quadros por segundo. O padrão brasileiro, semelhante ao japonês e o americano, adota a frequência de 60 Hz e seus múltiplos. Por esse motivo, é comum vermos anúncios de TVs com frequências de 120 Hz, 240 Hz, 480 Hz, etc. Entretanto, as TVs conseguem converter outros padrões, como o de 24 Hz e seus múltiplos.

Quanto maior o valor de frequência de uma TV, mais suave é a transição entre os quadros de imagem. A diferença é percebida, principalmente, em cenas de ação, velocidade e também em vídeo games. Por esse motivo, ao comparar TVs para comprar, prefira modelos que apresentem maior valor de frequência de atualização de imagem. Segundo testes específicos, modelos com 120 Hz têm desempenho superior com relação às TVs de 60 Hz. Por outro lado, aparelhos com 240 Hz mostram pouca diferença frente aos modelos de 120 Hz.

movimento de blur com diferenca de frequencia em hz em TVs

TVs com baixa taxa de atualização produzem o efeito chamado de movimento borrado (ou “motion blur” em inglês), como o exemplo mostrado nas imagens da matéria. Neste caso, o pé do jogador está em movimento rápido para chutar a bola, produzindo um borrão na imagem devido à baixa frequência de atualização. O mesmo acontece na hora dos jogos, quando um carro está em alta velocidade em uma corrida.

Existem, também, TVs de plasma que operam em frequências de 600 Hz. Ou seja, em uma imagem com frequência de 60 Hz, o aparelho ainda pisca dez vezes os pixels existentes na tela, alcançando 600 Hz. Isso diminui drasticamente o efeito “motion blur”. Um outro detalhe diz respeito às TVs 3D. Neste caso, pelo fato de necessitar mostrar duas imagens na tela (uma para cada olho), a frequência é dividida. Ou seja, uma TV 3D de 240 Hz na verdade mostra duas imagens de 120 Hz cada.

Nomes Comerciais das marcas

As fabricantes gostam de se apropriar de padrões comuns e criarem formas de se distinguirem, uma delas é os diferente nomes para a mesma coisa, confira as opções referentes a taxa de atualização de suas TVs:

  • Samsung usa o nome CMR (Clear Motion Rate);
  • a LG o MCI (Motion Clarity Index)
  • e a Sony Motionflow XR 960.

Os números exagerados destes valores

Recentemente, alguns fabricantes começaram a turbinar números referentes à taxa de atualização, citadas anteriormente. Basta uma breve pesquisa para verificar displays de 480Hz, 720Hz e até 960Hz quando há modelos de 240Hz, 120Hz e 60Hz.

Com estes nomes próprios, parece que a evolução maior até que nas TVs de plasma com seus 600Hz reais!
O objetivo é claríssimo: chamar a atenção dos consumidores e tentar se diferenciar da concorrência.

 

Como fugir de valores irreais?

Infelizmente, dificilmente as fabricantes exibem o valor de atualização real de seus produtos na hora de convencer o público a comprá-los. No entanto, há um fator que torna bastante claro se uma televisão sofre de um caso de “propaganda enganosa”: o preço.

Como o uso de uma taxa de atualização maior exige hardwares mais poderosos, dificilmente você vai encontrar um dispositivo com frequência de 240 Hz reais sendo vendido por um valor “barato”. Isso explica por que produtos de marcas especializadas, como a Benq, costumam ser mais caros do que dispositivos feitos para um público mais amplo.

Na prática, a maioria dos grandes nomes do mercado, como Sony, LG e Samsung, costuma apostar em uma abordagem “mista”, adotando tanto técnicas que aumentam efetivamente a taxa de quadros por segundo quanto apelando para o uso de técnicas de iluminação diferenciada.

Embora as soluções que não mexem diretamente com a taxa de atualização de um aparelho ajudem a acabar com a ocorrência de “borrões”, os métodos utilizados para isso variam. Para se certificar de que você não está levando para casa um produto “enganoso”, recomendamos pesquisar informações sobre ele na internet e conferir a presença de termos como “suavização de movimentos/interpolação de movimentos”, que aumentam a chance de estarmos lidando com um painel de 120 Hz (ou mais) reais.

Caso o dispositivo examinado não contenha o poder de processamento associado a tais características, são grandes as chances de que ele possua um painel de 60 Hz que usa alguma técnica de iluminação especial.

 

A dica é: desconfie sempre dos números grandes demais, leia as entrelinhas das especificações técnicas, se informe em fóruns e sites especializados que discutem um modelo ou marca específico.

Não esqueça de de ver pessoalmente “in loco” fazendo uma visita em uma loja e observando os detalhes da TV que você tanto deseja comprar.

 

 

Fonte: TechTudo e PlaneTech